Blog
Home > Quanto pagar de INSS? 5%, 10% ou 20%?

Quanto pagar de INSS? 5%, 10% ou 20%?

quanto pagar de inss

Quanto pagar de INSS?

Desde março de 2020, os trabalhadores empregados estão pagando ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) uma nova alíquota sobre o seu salário.

No entanto, como essa contribuição é realizada diretamente pelo empregador, não é necessária uma grande preocupação com relação aos cálculos.

Mas como fica a questão para os autônomos, Microempreendedores Individuais (MEIs) e pessoas de baixa renda?

Essas categorias têm algumas possibilidades de pagamento, que variam de acordo com a sua renda mensal e com seus planos para a aposentadoria.

 

 

O que é contribuinte individual, facultativo e de baixa renda?

Antes de conhecer os planos de contribuição, é importante que você entenda quais são as principais categorias que se encaixam nessas possibilidades.

A primeira delas é a do contribuinte individual, que se refere ao profissional que trabalha por conta própria como autônomo ou que presta serviços remunerados a outras pessoas ou empresas de forma eventual, sem vínculo empregatício.

Quem se encaixa nessa categoria é um contribuinte obrigatório, pois precisa pagar o INSS por lei. Porém, para os contribuintes individuais que prestam serviços para pessoas jurídicas, a obrigação desse pagamento é da organização, assim como ocorre com profissionais empregados.

Já o contribuinte facultativo é aquele que não exerce atividade remunerada e nem está filiado a nenhum regime próprio de previdência. Essa pessoa não é obrigada a contribuir com o INSS, mas pode optar pelo pagamento para assegurar seus direitos previdenciários.
Por fim, ainda há os contribuintes de baixa renda, que abrangem as pessoas que:

  • Não exercem atividade remunerada, dedicando-se exclusivamente ao trabalho doméstico;
  • Não possuem renda própria;
  • São membros de família de baixa renda, com inscrição no Cadastro Único atualizada.

 

Quando pagar 5% ao INSS?

A contribuição mais simples que pode ser feita ao INSS é a de 5% sobre o salário mínimo, o que, em 2020, equivale a R$ 52,25.

Essa opção só é válida para duas categorias: pessoas de baixa renda e Microempreendedores Individuais (MEIs). Com a Reforma da Previdência, os trabalhadores informais foram incluídos como baixa renda, porém a decisão ainda precisa ser regularizada por meio de lei específica.

Essa alíquota de 5% garante direito a todos os benefícios do INSS, como auxílio-doença, salário-maternidade e pensões, com exceção da aposentadoria por tempo de contribuição.

Dessa forma, o contribuinte desse plano precisará se aposentar por idade. Também não será possível utilizar o tempo para complementar outros regimes de previdência social com a Certidão de Tempo de Contribuição (CTC).

O valor da aposentadoria para quem optar por esse plano será de um salário mínimo.

 

Plano simplificado: quando pagar 11% ao INSS?

Outra forma de contribuição ao INSS é pelo plano simplificado, que requer o pagamento de uma alíquota de 11% sobre o valor do salário mínimo – R$ 114,95, em 2020.

Podem optar por esse plano o contribuinte individual e facultativo. Com isso, eles têm direito aos mesmos benefícios previdenciários de quem paga 5%: quase todos, com exceção da aposentadoria por tempo de contribuição e do uso do tempo para outros regimes.

O valor da aposentadoria no plano simplificado é de um salário mínimo.

 

Plano normal: quando pagar 20% ao INSS?

O plano normal prevê uma contribuição de 20% do salário do segurado. É preciso atenção nesse ponto, já que, diferentemente das outras, essa alíquota não é aplicada sobre o salário mínimo. Ou seja, se o contribuinte ganha um valor de R$ 3.500 por mês, precisará pagar ao INSS R$ 700. Se receber mais de uma remuneração, deve somá-las para fazer esse cálculo.

Também é importante saber que o valor mínimo de pagamento é de 20% do salário mínimo e, o máximo, de 20% do teto da previdência. Isso significa que o contribuinte precisa verificar todo mês se a sua remuneração está entre esses valores, que, em 2020, correspondem a R$ 1.045 e R$ 6.101,06.

Se a remuneração do mês for menor do que o salário mínimo, é necessário completar a contribuição para pagar pelo menos R$ 209,90 (20% do salário mínimo) ao INSS ou, então, o mês não contará para a aposentadoria. Por outro lado, se a remuneração exceder o teto máximo da previdência, o segurado só precisa recolher o valor de R$ 1.220,21 (20% do teto).

Esse plano pode ser escolhido tanto por contribuintes individuais, como por facultativos. Além de dar direito a todos os benefícios do INSS como as opções anteriores, ele oferece, como vantagem, a possibilidade de aposentadoria por tempo de contribuição e de recebimento de benefício com valor maior do que o salário mínimo.
No entanto, como a aposentadoria por tempo de contribuição foi extinta com a Reforma da Previdência, aprovada em novembro de 2019, esse contribuinte pode optar por alguma regra de transição ou pela aposentadoria por pontos.

O valor do benefício será calculado com 60% da média de todos os salários de contribuição e mais 2% para cada ano de contribuição acima de 20 anos para homens e de 15 para mulheres, até o limite de 100%.

 

Como fazer o pagamento ao INSS?

O pagamento de contribuintes individuais, facultativos e de baixa renda deve ser feito por meio da Guia da Previdência Social (GPS), que funciona como um carnê. Ela pode ser adquirida em papelarias e bancas de jornais ou gerada digitalmente no site do INSS.

Além de preenchê-la com dados pessoais, o segurado deve inserir o código referente a sua opção de plano de contribuição. Eles são:

  • 1007: 20% para Contribuinte Individual Mensal;
  • 1104: 20% para Contribuinte Individual Trimestral;
  • 1406: 20% para Facultativo Mensal;
  • 1457: 20% para Facultativo Trimestral;
  • 1163: 11% para Contribuinte Individual Mensal;
  • 1180: 11% para Contribuinte Individual Trimestral;
  • 1473: 11% para Facultativo Mensal;
  • 1490: 11% para Facultativo Trimestral;
  • 1929: 5% para Baixa Renda Mensal;
  • 1937: 5% para Baixa Renda Trimestral.

Depois, é só pagar na lotérica ou em uma instituição bancária, de forma mensal ou trimestral, de acordo com a opção mais conveniente para o contribuinte. O vencimento sempre será no 15º dia do mês seguinte ou do trimestre seguinte.

Quem havia trabalhado de carteira assinada antes, só precisa comprar a GPS para iniciar sua nova forma de contribuição. Para os trabalhadores que vão contribuir pela primeira vez ao INSS, é necessário realizar um cadastro na Previdência Social pela internet, central de teleatendimento 135 ou em uma agência do INSS, adquirindo um número do PIS.

O MEI, especificamente, faz o pagamento diretamente por meio da guia DAS-MEI, gerada no Portal do Empreendedor.

 

Paguei uma alíquota e me arrependi: posso mudar de plano?

Muitas pessoas começam fazendo um recolhimento de 5% ou de 11% e, com o tempo, mudam de condição e desejam passar a contribuir com 20% para conseguir uma aposentadoria mais vantajosa.

Nesse caso, é possível fazer uma complementação da contribuição. Basta entrar com um requerimento no site ou aplicativo “Meu INSS”, gerando guias para esse pagamento extra e, depois, alterar o código de pagamento no preenchimento da GPS.

O caminho inverso também pode ser feito, exigindo-se apenas a alteração no código da GPS. O mesmo ocorre com mudanças de contribuinte individual para facultativo, e vice-versa.

 

Conclusão

Agora que você conhece todas as possibilidades de contribuição ao INSS, pode optar pelo pagamento que faz mais sentido para a sua situação.

Se você ficou com alguma dúvida ou precisa de auxílio para resolver problemas previdenciários, entre em contato com um escritório de advocacia especializado. Essa é a melhor forma de garantir que todos os seus direitos sejam efetivados.

Compartilhe

Mais notícias

tempo como auxílio doença conta para aposentadoria
quanto pagar de inss
benefício indeferido
perícia do inss
abono permanência
Benefício negado
revisão da vida toda
ppp
Desenvolvido por WebShare - Estratégia e Resultado   © Copyright - CMP Prev - Todos os direitos reservados
Já vai embora?

Se não encontrou o que procurava, clique abaixo e receba uma consulta personalizada.

Ligamos para você
Envie seus dados e em breve entraremos em contato
Chat online
Envie seus dados para iniciar a conversa
-
Consulte nossos advogados