Posts

Como planejar a Aposentadoria aos 30 anos – Guia Completo

Como planejar a Aposentadoria aos 30 anos?

 

Conseguir se aposentar cedo e viver uma vida com conforto é o sonho de muita gente, não é mesmo? 

 

Mas, para conseguir isso, é fundamental que você comece a se preparar e a investir na sua aposentadoria o quanto antes possível. Quanto mais tarde, maior será a dificuldade e o esforço necessário para garantir um futuro confortável.

 

Pensando em te ajudar com essa tarefa, preparamos esse artigo com um passo a passo para que você consiga planejar a sua aposentadoria aos 30 anos de idade.

 

 

 

Por que Planejar minha Aposentadoria aos 30 anos?

 

Quando temos 30 anos, a aposentadoria pode não ser uma grande prioridade, afinal, a ideia ainda parece estar em um futuro distante. 

 

Só que a verdade é que, se você começar esse planejamento agora, vai conseguir ter uma condição bem melhor e de forma muito mais tranquila quando a idade chegar. 

 

Quanto antes você investir, menor será a quantia mensal que precisará dedicar para esse objetivo e maior o retorno que terá no futuro.

 

As pessoas que adiam o planejamento previdenciário acabam tendo que lidar com situações mais difíceis, precisando compensar não apenas o dinheiro que deixaram de guardar, como também os juros que não se acumularam ao longo dos anos.  

 

Não à toa, existem vários casos de profissionais que tinham ótimas condições financeiras – e até mesmo empresários milionários – e que acabaram perdendo tudo após parar de trabalhar, pois não se dedicaram a uma preparação para garantir estabilidade econômica na aposentadoria.

 

Agora que você entendeu bem a importância de planejar a sua aposentadoria cedo, vamos ao passo a passo?

 

 

1 – Saiba com que Idade você quer se Aposentar

 

Você já sabe quando quer parar de trabalhar? Um dos primeiros passos do planejamento de aposentadoria é ter em mente com que idade você pretende se aposentar.

 

Se você quiser ter acesso aos benefícios previdenciários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), precisará verificar as regras em vigor e entender em qual modalidade poderá se encaixar, conferindo a idade necessária para obtenção dessa aposentadoria.

 

De qualquer forma, quanto maior o tempo trabalhado, maior será o benefício. Por outro lado, se você desejar uma aposentadoria mais precoce, terá que fazer contribuições maiores mensalmente para conseguir um valor mais adequado.

 

Conheça nosso Simulador de Aposentadoria

 

2 – Calcule a Renda que você quer ter

 

Além da idade, outra decisão essencial no planejamento da sua aposentadoria é a renda que você pretende ter quando esse momento chegar. 

 

Para fazer esse cálculo, é preciso levar em consideração os gastos que você acredita que terá futuramente. 

 

Não esqueça de descontar algumas despesas que talvez deixem de fazer parte da sua realidade como, por exemplo, prestações para pagamento de um imóvel , e de incluir outras que talvez sejam inseridas nas suas finanças, como um plano de saúde mais caro para idosos.

 

Também considere sempre a inflação, já que o poder de compra certamente será outro dentro de alguns anos. 

 

Listando esses gastos, estime qual deverá ser o seu “salário” mensal para que você tenha a qualidade de vida desejada com a aposentadoria. A partir disso, você poderá pensar nas melhores formas de alcançar a reserva necessária para ter essa renda estimada. 

 

 

3 – Trace o seu Planejamento Financeiro para a Aposentadoria

 

Previdência Social

 

A maneira mais tradicional de se preparar para a aposentadoria é levando em consideração a Previdência Social, até porque a contribuição para o INSS é obrigatória para todos os trabalhadores remunerados. 

 

No entanto, apesar de ser uma parte importante do seu planejamento, essa solução não deve ser o seu único caminho para obter renda enquanto aposentado.

 

Depender do INSS é muito arriscado. Recentemente, a Reforma da Previdência alterou praticamente todas as regras para aposentadoria, trazendo requisitos mais difíceis para concessão dos benefícios e valores bem menos vantajosos para a maioria das modalidades. E nada impede que, nas próximas décadas, novas normas ainda mais rígidas sejam adotadas.

 

Hoje, já vemos que muitos aposentados pelo INSS acabam tendo que se manter ativos profissionalmente para ter uma renda extra, porque o valor pago pela previdência não é suficiente para os seus gastos mensais e, muito menos, para oferecer a vida tranquila que gostariam de ter.

 

Por isso, é fundamental que, além da aposentadoria do INSS, você se dedique a outras formas de investimento para alcançar o futuro que deseja.

 

 

Previdência Privada

 

A Previdência Privada ou Complementar é uma boa opção para quem não quer depender só do INSS para a aposentadoria. 

 

Ela pode ser aberta, que é quando é negociada livremente com os bancos, ou fechada, que é aquela restrita a determinadas categorias profissionais ou empresas.

 

Em geral, quem decide participar desse tipo de previdência precisa fazer contribuições frequentes para um fundo de reservas que, posteriormente, servirá como fonte para o pagamento dos seus “salários” de aposentado.

 

Um ponto interessante é que existem diversos planos diferentes para a Previdência Privada, de forma que você pode escolher aquele que mais se encaixar nas suas necessidades.

 

Se você quiser saber mais sobre esse sistema, não deixe de conferir outro post do nosso blog clicando aqui. Lá, você poderá entender em detalhes como funciona a Previdência Privada.

 

Outros investimentos

 

Dependendo de qual for a renda que você deseja ter no futuro, pode valer a pena pensar ainda em investimentos à longo prazo para complementar os valores das previdências social e privada. 

 

Nesse caso, é importante que você estude bem sobre o assunto e, se necessário, tenha apoio profissional para fazer boas aplicações e garantir um retorno financeiro positivo.

 

Imóveis, títulos públicos e ações na bolsa podem ser opções interessantes, dependendo do seu perfil de investidor e das suas condições financeiras atuais.

 

 

Comece seu planejamento agora!

 

O primeiro passo para planejar a sua aposentadoria aos 30 anos é refletir sobre como você deseja a sua vida de aposentado. 

 

Tendo em mente a idade com a qual você pretende se aposentar e a renda que precisará ter para conseguir a qualidade de vida desejada, fica muito mais fácil se organizar e fazer simulações.

 

Não se esqueça de pensar nos requisitos e benefícios do INSS e de levar em consideração outras alternativas que podem trazer ganhos significativos a longo prazo, sendo essenciais para o seu futuro.

 

Com 30 anos, pode ser difícil pensar em aposentadoria, mas lembre-se que é esse planejamento antecipado que ajudará você a conseguir uma aposentadoria muito mais vantajosa e tranquila.

 

Durante esse processo, também pode ser uma ótima ideia contar com a ajuda de um advogado previdenciário. Ele poderá traçar um plano ideal para que você tenha os melhores benefícios, tanto na Previdência Social como na Complementar. 

 

Entre em contato com um escritório especializado e saiba mais!

 

Agendar atendimento

1 Etapa 1
2 Etapa 2
3 Etapa 3
4 Etapa 4
5 Etapa 5
6 Etapa 6
  • Para otimizar o seu atendimento, por favor, preencha o formulário.
  • Não se preocupe, seus dados estão protegidos e não enviaremos nenhum spam.

Previdência Complementar para dedução do Imposto de Renda

A previdência complementar oferece um incentivo fiscal. Mas como se beneficiar desta vantagem?

Segundo as regras de tributação dos planos PGBL oferecidos por bancos e equivalentes, qualquer pessoa vinculada ao regime de previdência (INSS, Próprio ou Militar) que possua previdência complementar, poderá aplicar até 12% da sua renda bruta anual tributável na previdência e abater o valor da base de cálculo de Imposto de Renda.

 

Veja como funciona na prática

Digamos que uma pessoa possui uma renda tributável de R$ 100mil por ano. Supondo que tenha um plano PGBL, essa pessoa poderia investir R$ 1mil por mês ou os R$ 12mil ao ano na previdência (R$100mil x 12% = R$ 12mil), podendo reduzir da base de cálculo de IR o valor aplicado. Sendo assim, ao invés de pagar IR sobre os R$100mil, pagará o IR somente sobre R$ 88mil (R$100mil – R$12mil). Ao incidir o imposto, nota-se que essa pessoa deixaria de pagar R$ 3.300,00 de Imposto de Renda no ano, isto é, pagará 27,5% sobre R$ 88mil e não sobre o valor original da renda tributável, no caso R$ 100mil.

 

Perceba o incentivo fiscal da Previdência Complementar

Não se trata apenas de “economia”, já que, na prática, tal incentivo é apenas um adiamento do imposto, já que ao final terá que pagar o imposto sobre todo o montante aplicado. Trata-se de uma oportunidade de fazer o dinheiro render e trabalhar a seu favor. Já que o valor economizado hoje com o imposto integrará o montante aplicado no fundo e a mágica dos “juros compostos” sobre essa aplicação trabalha em favor do investidor do plano.

No exemplo, levando-se em conta que o aporte anual no plano PGBL é de R$ 12mil (que equivaleriam aos R$ 1mil mensais), na prática, aplica-se R$ 8.700,00 de recursos próprios, já que com o incentivo fiscal dos R$ 3.300,00 economizados do imposto de renda, são os R$ 12mil que passam a render no plano de previdência em favor do participante.

Digamos que essa pessoa faça isso ano a ano durante 30 anos de investimento no fundo, obtendo um rendimento médio de 8%a.a. no plano. Os R$ 3.300,00 anuais deixados de recolher na forma de imposto de renda resultarão ao final dos 30 anos num montante equivalente a R$ 373.834,60 de saldo no plano.

Aproveite esta oportunidade e favoreça suas finanças.

Para mais informações e esclarecimentos, entre em contato com nossa equipe de especialistas ou visite nosso escritório.

 

Ligamos para você
Envie seus dados e em breve entraremos em contato
Chat online
Envie seus dados para iniciar a conversa
-
Consulte nossos advogados