Confira as

nossas notícias

Reforma da previdência segue sofrendo alterações

Compartilhar em:

16.02.2018

Segue a todo vapor a dura queda de braços da reforma da previdência: de um lado, o governo, pressionado por setores do mercado, busca incessantemente os votos necessários no congresso para a aprovação do texto já bastante alterado, mas se vê obrigado a promover ainda mais ajustes para obter os votos necessários. De outro lado, a massa trabalhadora e entidades representativas, que, à duras penas, tentam nadar contra a corrente violenta imposta pela campanha deflagrada da “iminente falência do sistema previdenciário “.

O governo, bastante desgastado por conta dos acontecimentos políticos recentes, parece ter finalmente encontrado uma forma de avançar e conquistar mais apoio, estudando a possibilidade de ser mais flexível em determinados pontos, como:

  • Previsão de regras de transição para os servidores públicos que ingressaram antes de 2003 e preservam o direito à paridade e integralidade nas aposentadorias; e
  • Aumento do limite de dois salários mínimos na cumulação de aposentadoria e pensão para servidores públicos.

Reforma da previdência x qualidade de vida dos cidadãos

Paralelamente, a campanha política na mídia continua a propagar a ideia de que se não houver as mudanças propostas, o sistema previdenciário entrará em colapso no curto prazo e os benefícios deixarão de ser pagos.

Entretanto, não se pode deixar de destacar que, independentemente de haver a necessidade ou não de ajustes na legislação previdenciária, o fato é que não se pode aceitar na marra as novas formas de lidar com os benefícios, que certamente comprometem ainda mais o futuro e a qualidade de vida do cidadão brasileiro.

Conclusão

Não se pode conceber que o trabalhador mais humilde e já sofrido pague a conta do malfadado déficit, cuja real existência há muito se questiona. Mesmo porque, se incrementasse a forma de cobrança e apertasse o cerco contra a inadimplência de quem deve as contribuições previdenciárias – grandes empresas e entidades sonegadoras que justamente hoje apoiam a reforma -, o sistema atual seria, mesmo num cenário mais pessimista, bastante superavitário e garantidor da proteção social a qual a previdência se destina.

Há uma corrente que defende que já não há prazo para o avanço e aprovação neste ano eleitoral, justamente pela mudança do foco em virtude da dura disputa que se avizinha.

Opiniões divididas e luta de poder e concessões marcam o cenário nos próximos dias. Mas a esperança do brasileiro é de que esta novela tenha de fato um final feliz!

Quando precisar, procure profissionais especializados para tirar suas dúvidas sobre os aspectos da reforma da previdência.

Receba em

primeira mão

Notícias sobre área da saúde e bem-estar